Área do cabeçalho
gov.br

Este sítio foi reprojetado para melhor atendê-lo. Acesse já pelo celular e veja mais essa novidade

Portal da UFC Acesso a informação da UFC Ouvidoria Conteúdo disponível em: Português

Universidade Federal do Ceará
Centro de Ciências Agrárias

Área do conteúdo

CCA homenageia 100 anos de Luiz Gonzaga

Data de publicação: 18 de dezembro de 2012. Categoria: Notícias

No dia 13 de dezembro de 1912, há 100 anos, nascia o sanfoneiro, cantor e compositor conhecido pelo título de "Rei do Baião".

Luiz Gonzaga cresceu nas proximidades de Exu, sertão de Pernambuco, e desde pequeno já tinha contato com a sanfona ao ajudar o pai ora consertando o instrumento, ora trabalhando na roça. Aos dezessete anos, fugiu em direção ao Crato e, de lá, a Fortaleza por conta de complicações em uma história amorosa.

Ao ingressar no serviço militar em Fortaleza, começou a participar de uma banda na qual tocava corneta e se apresentava, com muito gosto, aos militares. Depois de um ano, foi transferido com a tropa para o Rio de Janeiro, onde passou a se apresentar em boates frequentadas por marinheiros.

Com uma discografia inexata que, especula-se, inclui cerca de 1000 músicas. Em 1941, gravou os elepês: “Véspera de São João”, com Francisco Reis, e “Numa Serenata”. Depois disso, foi descoberto pela gravadora RCA Vitor e, por meio dela, gravou “Saudades de São João Del Rei” e “Vira e Mexe”.  Seu sucesso de 1943 foi Mula Preta. A primeira gravação de Luiz Gonzaga como cantor foi “Dança Mariquinha. Em 1945, outra parceria com Miguel Lima rendeu o “Dezessete e Setecentos”, que foi sucesso na voz de Manezinho Araújo, e depois vieram “Penerô Xerém e “Cortando Pano”.

Em 1945, teve início a sua parceria com o cearense Humberto Teixeira, dando origem a diversos sucessos populares que tiveram como temática central o ritmo nordestino com os seus variados estilos, dentre eles o xaxado e o baião. Entre as principais parcerias da dupla estão “No meu pé de serra”, “Juazeiro”, “Asa-Branca”, “Paraíba”, “Qui Nem Jiló”, “Assum Preto”, dentre outras. A partir disso, foram formadas parcerias com diversos compositores como Zé Dantas, Hervê Cordovil, David Nasser, Miguel Lima, Lourival Passos, João Silva e Patativa do Assaré, que colocaram na voz de Luiz Gonzaga sucessos imortais como “Riacho do Navio”, “Vem Morena”, “A Triste Partida”, “Reséota Januário” e “A Vida do Viajante”, em diversos ritmos.

Ao longo de sua carreira, Luiz Gonzaga recebeu diversos prêmios e participou de vários eventos de grande porte. Em 1976, recebeu o título de cidadão cearense e no ano seguinte teve o seu nome publicado como verbete na versão brasileira da Enciclopédia Universal Britânica. Em 1978, apresentou-se para o Papa João Paulo II e em 1981 ganhou dois discos de ouro. Luiz Gonzaga recebeu também o prêmio “Cachorrinho da RCA”, concedido anteriormente apenas a Elvis Presley e Nelson Gonçalves. A premiação mais importante da sua carreira veio em 1984, quando foi o grande homenageado da noite de entrega do Prêmio Shell para os melhores da Música Popular Brasileira. Em 1985, Luiz Gonzaga recebeu foi premiado com o “Nipper de Ouro” pelo conjunto de sua obra.

Ao longo de sua carreira, Luiz Gonzaga recebeu prêmios como dois discos de ouro, “Cachorrinho da RCA” – prêmio concedido anteriormente apenas a Elvis Presley e Nelson Gonçalves e o “Nipper de Ouro” pelo conjunto de sua obra. A premiação mais importante da sua carreira veio em 1984, quando foi o grande homenageado da noite de entrega do Prêmio Shell para os melhores da Música Popular Brasileira
Pensando em fazer uma homenagem ao centenário do Rei do Baião por meio de um breve apanhado de sua história e importância musical, o Centro de Ciências Agrárias selecionou uma de suas letras, “Cartão de Natal”, para desejar a todos um Feliz Natal.

Cartão de Natal
Ouvindo os sinos de Deus
Repicando na matriz
Para você e os seus
Peço um Natal bem feliz
Blem, blem, blem
Blem, blem, blem

Um ano novo afortunado
Venturoso e abençoado
Tão ditosa oração do além
Seja ouvida por Deus
E que os anjos digam amém
Blem, blem, blem
Blem, blem, blem

Acessar Ir para o topo