Área do cabeçalho
gov.br

Este sítio foi reprojetado para melhor atendê-lo. Acesse já pelo celular e veja mais essa novidade

Portal da UFC Acesso a informação da UFC Ouvidoria Conteúdo disponível em: Português

Universidade Federal do Ceará
Centro de Ciências Agrárias

Área do conteúdo

Defesa de Dissertação na Fitotecnia

Data de publicação: 30 de julho de 2015. Categoria: Notícias

Hoje, dia 30 de julho de 2015, o aluno Manuel Filipe Nascimento Garcia estará defendendo sua dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Agronomia – Fitotecnia.

A dissertação tem o títuloDesenvolvimento de protocolos de enxertia do tomateiro ‘santa clara’ combinado com portaenxertos de diferentes cultivares e espécies de solanáceas, e foi orientada pelo Professor Marcelo de Almeida Guimarães.

A banca será composta pelos professores Marcelo de Almeida Guimarães (presidente), Alexandre Bosco de Oliveira (UFC), Roberto Jun Takane (UFC) e Marcelo de Almeida Guimarães às 17:00h.

 

Resumo:

  • A realização da técnica da enxertia tem sido citada por inúmeros pesquisadores como importante ferramenta a ser adotada para a produção de tomateiro em ambientes que apresentam condições adversas para cultura, em especial problemas relacionados ao solo. Baseado no exposto objetivou-se neste projeto desenvolver protocolos de enxertia para o tomateiro ‘Santa Clara’ em diferentes variedades e espécies de solanáceas. Todos os trabalhos desenvolvidos foram conduzidos no delineamento em blocos ao acaso, em esquema fatorial 3 x 2 + 1, ou seja, três métodos de enxertia (bisel com grafite, fenda cheia e inglês simples) combinados com duas idades de enxertos e porta-enxertos a depender da espécie utilizada, mais a planta de tomateiro ‘Santa Clara’ pé-franco (controle). As seguintes espécies foram estudadas, como porta-enxertos, em cada experimento: Tomateiro cereja (Solanum lycopersicum) cv. Carolina; Berinjeleira (S. melongena) cv. Comprida roxa; Jiloeiro (S. gilo) cv. Comprido grande rio; Pimentoeiro (Capsicum annuum) cv. Yolo wonder; Cubieiro (S. sessiliflorum Dunal.); e, Jurubebeiro (S. jamaicense Mill). O enxerto em todos os experimentos foi o tomateiro (S. lycopersicum) cv. Santa Clara. Foram avaliados comprimento do enxerto pré e pós enxertia; teor de clorofila “a” e “b” pré e pós enxertia; diâmetro do enxerto pré enxertia; e, pegamento dos indivíduos enxertados através da atribuição de notas. As avaliações das plantas enxertadas em todos os ensaios foram realizadas aos sete dias após a enxertia. Com base nos resultados obtidos foi possível estabelecer um protocolo de enxertia para todas as combinações de enxertia avaliadas. Observar que os porta-enxertos provenientes de plantas de jiloeiro e cubieiro proporcionaram maior vigor ao enxerto de tomateiro ‘Santa Clara’. Selecionar a técnica de enxertia fenda-cheia como a mais indicada para a enxertia de tomateiro ‘Santa Clara’ nas variedades e espécies de solanáceas estudadas.

 

Fonte: Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas – UFC

Acessar Ir para o topo