Português

Defesa de Dissertação no Mestrado em Economia Rural

7 de fevereiro de 2019

Discente: Matheus Oliveira de Alencar
Data: 18/02/2019
Horário: 10:00
Local: Sala de Videoconferência do Centro de Ciências Agrárias
Título: Elasticidade emprego do crescimento econômico na América Latina e desigualdade salarial no Brasil
Palavras-Chave: Desigualdade salarial. Elasticidade do emprego. Mercado de trabalho.
Área: Economia

Resumo:

Esta dissertação é composta por dois estudos aplicados ao mercado de trabalho. O primeiro, intitulado “Condicionantes da Elasticidade Emprego do Crescimento Econômico nos Países da América Latina”, buscou encontrar os condicionantes estruturais da elasticidade do emprego nos países da latino-americanos no período de 1992 a 2012. O método de análise empregado foi o de regressões múltipla com dados em painel. Quanto aos dados utilizados, são provenientes das bases estatísticas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), do Banco Mundial e da Penn World Tables (PWT). Sendo assim, para explicar o comportamento da elasticidade do emprego nos países latino-americanos, aplicou-se, como controle, no modelo de análise, variáveis macroeconômicas, de estrutura do mercado de trabalho e características demográficas. Confirmou-se que as instabilidades econômicas afetam diretamente o potencial de geração de empregos do país. Pôde-se notar também a influência positiva da participação dos trabalhadores no setor agropecuário. No aspecto demográfico, verificou-se o efeito negativo da taxa de urbanização, bem como efeito positivo do índice de capital humano da população, indicando a importância desta variável para a geração de empregos nas economias da América Latina. Já o segundo capítulo, intitulado “Condicionantes da Desigualdade Salarial nos Municípios Brasileiros”, buscou evidenciar condicionantes da desigualdade salarial nos municípios brasileiros entre 2007 e 2016. Para alcançar esse objetivo, recorreu-se a variáveis municipais calculadas por meio dos microdados da RAIS/MTE. Como método de análise, neste capítulo, também se fez o uso de regressões múltipla com dados em painel. As principais hipóteses do estudo foram confirmadas, uma vez que se verificou, no Brasil, uma relação positiva entre desigualdade salarial e o tamanho do município, isto é, municípios maiores, em termos populacionais, tendem a exibir maiores níveis de desigualdade. A mesma relação foi observada com o valor do salário médio do município. Também pôde-se confirmar a influência favorável à desigualdade salarial nos municípios brasileiros de fatores como as proporções de trabalhadores no setor financeiro, no setor público, no setor agropecuário e daqueles com nível superior. Além disso, constatou-se que o aumento da participação feminina no mercado de trabalho contribui com a redução da desigualdade salarial.

Membros da Banca:

Presidente: Jair Andrade de Araújo
Interno: Ahmad Saeed Khan – UFC
Externo à Instituição: Celina Santos de Oliveira – UFPB
Externo à Instituição: Wellington Ribeiro Justo – URCA

Fonte: Coordenação do Programa de Pós-graduação em Economia Rural. Tel.: (85) 3366 9716.