Português

Defesa de Doutorado: Davi de Holanda

4 de abril de 2017

Ocorrerá amanhã (5) às 13:30 na sala de videoconferência do CCA (Bloco 826) a defesa de Tese de Doutorado do aluno Davi de Holanda Cavalcante com o tema “Sinergismo Entre Perifíton e Bioflocos no Cultivo Intensivo de Juvenis de Tilápia do Nilo”.

PALAVRAS-CHAVES:
Amônia. Limnocultura. Piscicultura. Qualidade de água.

GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias

ÁREA: Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca

RESUMO:
O trabalho foi constituído de quatro experimentos consecutivos que foram realizados com o objetivo de determinar o grau de sinergismo existente entre perifíton e bioflocos no cultivo intensivo de juvenis de tilápia do Nilo. No primeiro experimento foi realizado um arranjo fatorial 2 x 2, cujo os fatores avaliados foram bioflocos (BFT) e perifíton, em dois níveis cada um, ausência e presença. Os tanques dos tratamentos Controle e Perifíton apresentaram maiores concentrações de nitrogênio amoniacal total (NAT) quando comparados aos tratamentos BFT e Biofíton. O fator de conversão alimentar (FCA) dos peixes foi melhor nos tanques nos quais os bioflocos estavam presentes, quando comparado aos tanques sem bioflocos. Concluiu-se que o sistema de cultivo de peixes baseado em bioflocos remove significativamente mais amônia da água que os sistemas mais tradicionais, tais como em águas verdes e aqueles baseados no uso de substratos submersos (perifíton).

No segundo experimento os resultados de peso corporal final, taxa de crescimento específico e produtividade de peixe foram maiores (p<0,05) nos tanques nos quais se fez o ajuste da relação C: N da água, quando comparado aos tanques sem esse ajuste. Concluiu-se que o sistema de cultivo de peixe baseado em substrato (perifíton) não é indicado para cultivos intensivos em aquicultura, nos quais há grande entrada de alimento artificial. No terceiro experimento foram testados os seguintes fatores, substratos submersos (presença ou ausência) e restrição alimentar (não e sim). A presença de substratos submersos nos tanques para desenvolvimento de perifíton não alterou de modo significativo à concentração de nitrito da água. Portanto, assim como ocorrido para amônia, a instalação das estruturas submersas nos tanques não apresentou efeito purificador da água, tendo em vista que o nitrito é um composto tóxico aos peixes cultivados. Logo, não se obteve nenhuma vantagem zootécnica no presente trabalho pela instalação de estruturas submersas para perifíton em tanques BFT.

O último experimento foi constituído de nove tratamentos, com quatro repetições cada um. Os animais foram cultivados em tanques convencionais (águas verdes), com ajuste da relação C: N da água (bioflocos), e com integração entre bioflocos e perifíton (biofíton). Em cada sistema de cultivo, houve oferta regular ou sob restrição (-15% e -30%) de ração artificial. A instalação das estruturas submersas em tanques com bioflocos não foi capaz de elevar a remoção de amônia e nitrito da água. Nos sistemas com bioflocos, o nível de restrição alimentar de 15% não causou prejuízo ao ganho em peso animal. A instalação de estruturas submersas para perifíton não afetou de modo significativo o peso corporal final dos peixes cultivados.

MEMBROS DA BANCA: 
Presidente – 1547168 – MARCELO VINICIUS DO CARMO E SA
Externo ao Programa – 2186517 – ALDENEY ANDRADE SOARES FILHO
Externo ao Programa – 338378 – ELENISE GONCALVES DE OLIVEIRA
Externo à Instituição – FELIPE DE AZEVEDO SILVA RIBEIRO – UFERSA
Externo à Instituição – GLACIO SOUZA ARAUJO – IFPI