Área do cabeçalho
gov.br

Este sítio foi reprojetado para melhor atendê-lo. Acesse já pelo celular e veja mais essa novidade

Portal da UFC Acesso a informação da UFC Ouvidoria Conteúdo disponível em: Português

Universidade Federal do Ceará
Centro de Ciências Agrárias

Área do conteúdo

Defesa de tese no PPGEA

Data de publicação: 31 de julho de 2018. Categoria: Notícias

DISCENTE: FERNANDA HELENA OLIVEIRA DA SILVA

DATA: 31/07/2018

HORA: 14:00

LOCAL: Sala de aula do PPGEA

TÍTULO:
Uso de geoprocessamento para o aperfeiçoamento da gestão da qualidade da água em reservatório de região semiárida

PALAVRAS-CHAVES:
Palavras-chave: Área de Preservação Permanente. Sensoriamento remoto. Sensor Landsat. Nitrogênio. Fósforo.

PÁGINAS: 90

GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias

ÁREA: Engenharia Agrícola

SUBÁREA: Conservação de Solo e Água

RESUMO:
A perda da qualidade da água em reservatórios superficiais é um grave problema para regiões semiáridas. Incontinentemente o uso da terra pode intensificar processos danosos à qualidade hídrica, sobretudo, quando se tratam das áreas de preservação permanente (APP). Nesse contexto, as técnicas de geoprocessamento melhoram a gestão da água com um monitoramento contínuo, mais rápido e eficiente, e existe forte correlação entre o uso da terra em áreas de preservação permanente com os atributos de qualidade de água em bacias hidrográficas no semiárido. Portanto, objetivou-se determinar a correlação entre os atributos limnológicos e o uso da terra em Áreas de Preservação Permanente e estimar as cargas de nutrientes, nitrogênio (N) e fósforo (P), emitidos pelas principais fontes naturais e atividades antrópicas em uma bacia hidrográfica do semiárido brasileiro. As amostras de água foram coletadas em quatro pontos no reservatório General Sampaio, Ceará, Brasil, no período de 2014 a 2016. Os atributos limnológicos utilizados foram clorofila-a, nitrogênio, fósforo e transparência. Para os anos de 2009 a 2013 os dados de qualidade da água foram adquiridos na página da Fundação Cearense de Meteorologia – FUNCEME. Para alimentar o inventário da bacia hidrográfica buscaram-se dados no Instituto de Pesquisa e Estatística Econômica do Ceará – IPECE, Empresa brasileira de Pesquisa agropecuária – Embrapa e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, assim como dados encontrados na literatura científica. Para a classificação do uso da terra optou-se por utilizar imagens dos satélites: Landsat 5, 7 e 8. A delimitação das APP’s foi realizada com base no Modelo Digital de Elevação SRTM. Os dados orbitais foram processados através dos softwares: ArcGis 9.3 e ENVI 4.5 e para a determinação das cargas diárias e anuais de N e P foi utilizado o software MapShed. O uso e ocupação do solo nas APP’s apresentaram relação direta, principalmente, entre as áreas com solo exposto e a transparência da água (-0,53), e entre o índice de clorofila-a (0,43). A diferença entre as faixas de mata ciliar de 30 e de 100 metros indicou que para uma faixa de maior extensão a presença de vegetação influencia mais do que a ausência desta, ocorrendo o oposto para uma faixa de menor extensão. Para o modelo GWLF, as cargas de N de fontes naturais representaram 34,5% do total e para o modelo de fatores de emissão foram de 25,4%. Em relação às fontes antrópicas esse percentual chega a 65,5% e 74,6% para o GWLF e os fatores de emissão, respectivamente. Os modelos, de uma forma geral, demonstraram que os aportes de nutrientes (N e P) oriundos de atividades antrópicas superaram os aportes naturais, despontando-se a agricultura e a pecuária como principais fontes de N e P. Portanto, destaca-se a necessidade de mudanças no modelo de agropecuária adotado na região, melhorando as práticas de manejo nessas áreas para promover a redução das cargas de nutrientes e sedimentos aportados ao reservatório.

Palavras-chave: Mata ripária. Sensoriamento remoto. Nitrogênio. Fósforo.

MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição – EVLYN MARCIA LEÃO DE MORAES NOVO – USP
Presidente – 2257571 – FERNANDO BEZERRA LOPES
Externo ao Programa – 2513585 – FRANCISCO JOSE DE PAULA FILHO
Externo ao Programa – 117.561.793-87 – HELENA BECKER – UFC

Fonte: Diretoria do Centro de Ciências Agrárias – Fone: 85 3366 9732

Acessar Ir para o topo