Português

Dia do Engenheiro Agrônomo

14 de outubro de 2013

Há 80 anos deu-se a regulamentação da profissão de Engenheiro Agrônomo no Brasil por meio do Decreto Nº 23.196, de 12 de outubro de 1933.

Parabéns a todos os Colegas Engenheiros Agrônomos!

ORAÇÃO DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO

Herdarás o solo sagrado e a fertilidade será transmitida de geração em geração. Protegerás teus campos contra a erosão e tuas florestas contra a desolação. Impedirás que tuas fontes sequem e que teus campos sejam devastados pelo gado. Para que teus descendentes tenha abundância para sempre.

Aproveitamos a oportunidade para transcrever o excelente texto de Luiz Antonio Corrêa Lucchesi, Ph.D., Vice-presidente para a Região Sul da Confaeab, Confederação dos Engenheiros Agrônomos do Brasil, Presidente da Federação dos, Engenheiros Agrônomos do Paraná, Diretor de Política Profissional da Associação dos, Engenheiros Agrônomos do Paraná – Curitiba, Professor do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola da Universidade Federal do Paraná/ Setor de Ciências Agrárias.

Engenheiro Agrônomo: 80 anos de regulamentação e mais de 100 anos de contribuições para o Brasil

80 anos se passaram da promulgação do Decreto 23.196 que em 12 de outubro de 1933 que regulamentou o exercício profissional do Engenheiro Agrônomo. Naquela época o então Presidente Getúlio Vargas certamente enxergou o potencial que o Brasil possuía para ampliar e tecnificar sua agricultura e a necessidade de se ter profissionais capacitados científica e tecnicamente para conceber, planejar e orientar tecnicamente a concretização de tal visão.

Não obstante em 1878 ter sido instalado, em Cruz das Almas, Bahia, o primeiro Curso de Agronomia do País, e de ter sido o ensino agronômico regulamentado em 1910 quando da criação da ENA, Escola Nacional de Agricultura, hoje Universidade Federal Rural
do Rio de Janeiro (km 47), somente muito tempo depois é que houve a regulamentação desta importante e vital profissão para o
Brasil.

Do final do século XIX ao início do século XXI muitas escolas de Agronomia foram criadas e milhares de Engenheiros Agrônomos foram por elas formados. Com eles se estruturou políticas e programas de desenvolvimento agrícola, empreendimentos e instituições que fizeram do Brasil uma das maiores potências agrícolas do planeta!

Os números derivados desta criação são incontestáveis. Como exemplo pode-se citar o caso da soja. Se por um lado o sucesso do cultivo desta leguminosa é fruto do trabalho dos heróicos agricultores brasileiros e de suas organizações, de outro, a produtividade média desta cultura, hoje entre as mais altas do mundo, só foi conseguida com a utilização de resultados de pesquisa obtidos com o emprego da Ciência Agronômica, tornando o Brasil numa referência mundial em agricultura tropical.

Há poucos anos atrás isto não ocorria. Foi por meio da ciência agronômica e do trabalho de assistência técnica e de extensão rural dos Engenheiros Agrônomos aos agricultores que a cultura da soja e um sem número de outras foram adaptadas a outrora hostis ambientes, permitindo a expansão, a diversificação e o aprimoramento, do Oiapoque ao Chuí, da produção animal e vegetal brasileira que hoje, com produtos de qualidade, abastece nossas mesas, nossa indústria e até mesmo nossa rede de transmissão de energia elétrica e a crescente frota de veículos, gerando renda e divísas que ativam nossa economia num ambiente global altamente competitivo.

Sim, a pujança da agricultura brasileira hoje estampada em jornais de todo o mundo, está respaldada em conhecimentos que congregam o manejo de solos e da água, a nutrição vegetal e animal, a genética e o melhoramento de plantas e de animais, a biologia molecular, o controle integrado de pragas e doenças, a geodésia, a informática e a agricultura de precisão, a economia agrícola, a engenharia rural e tantos outros apreendidos pela Agronomia que nos bancos escolares, nos campos experimentais e escritórios estão sendo convertidos em tecnologias cuja aplicação tem como resultado o que aí se apresenta na força do Agronegócio Brasileiro.

A visão holística proporcionada pelas boas escolas de Agronomia que impera na formação de Engenheiros Agrônomo brasileiros tem permitido a estes profissionais liderar ações de desenvolvimento nas mais remotas regiões, e propor soluções inovadoras e sustentáveis para o abastecimento de água, para a segurança alimentar e para a logística reversa de resíduos sólidos das grandes metrópoles.

Mas nem tudo são flores e o sucesso de nossa agricultura tem também gerado grandes problemas. Os Engenheiros Agrônomos, com sua visão empreendedora, preparação técnica-científica, consciência cidadã e ética profissional continuarão a contribuir para com o enfrentamento destes novos desafios e com isso para com o desenvolvimento de nosso País!

Desta forma, sempre prontos a servir, os Engenheiros Agrônomos comemoram neste 12 de outubro de 2013.

Parabéns a todos os Colegas Engenheiros Agrônomos!

Luiz Antonio Corrêa Lucchesi, Ph.D., Vice-presidente para a Região Sul da Confaeab – Confederação dos Engenheiros Agrônomos do Brasil, Presidente da Federação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná, Diretor de Política Profissional da Associação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná – Curitiba, Professor do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola da Universidade Federal do Paraná/ Setor de Ciências Agrárias.

Fonte: Diretoria do CCA – UFC (Fone: 3366.9731)