Área do cabeçalho
gov.br

Este sítio foi reprojetado para melhor atendê-lo. Acesse já pelo celular e veja mais essa novidade

Portal da UFC Acesso a informação da UFC Ouvidoria Conteúdo disponível em: Português

Universidade Federal do Ceará
Centro de Ciências Agrárias

Área do conteúdo

Pesquisa do CCA sobre revestimento para aumentar vida útil de alimentos resulta na 14ª patente da UFC

Data de publicação: 9 de agosto de 2021. Categoria: Notícias

Comprar uma fruta e alguns dias depois perceber que ela já está com a coloração diferente e imprópria para consumo é um problema pelo qual muitos já passaram. A solução está na 14ª carta patente assinada pela Universidade Federal do Ceará: a invenção de um revestimento à base de soro de leite e óleo essencial de erva-doce que aumenta a durabilidade dos frutos pós-colheita.

O produto, desenvolvido no Departamento de Engenharia de Alimentos (DEAL), do Centro de Ciências Agrárias, é capaz de aumentar a vida útil das frutas, retardando o processo de senescência (envelhecimento natural em nível celular), mantendo a firmeza, a cor e a aparência inicial do alimento por mais tempo.

Um mamão fechado e outro aberto ao meio, sobre uma mesa

Os testes do revestimento foram feitos com mamão, que tiveram aumento de 10 dias no tempo de vida útil (Foto: Pixabay)

Para avaliar a eficiência da invenção, foram feitos testes utilizando o mamão como fruta-modelo. Foram usados mamões da espécie Carica papaya L., todos em estado 2 de maturação, quando a fruta está com apenas 25% da superfície amarelada. Todos foram higienizados, imersos no revestimento, secados e acondicionados em caixas plásticas e armazenados à temperatura de 12º C.

Nos testes, houve um aumento de até 10 dias no tempo de vida útil do alimento a partir do uso do revestimento. Enquanto o mamão sem revestimento mudou sua coloração em 13 dias, mostrando um processo mais avançado de amadurecimento, o mamão revestido chegou no mesmo estágio em 23 dias.

A diferença pode ser percebida por conta do amarelamento que atinge a casca do mamão com o passar do tempo. Na fruta usada como controle, sem revestimento, a mudança de verde para amarelo ocorreu em 13 dias, atingindo o chamado estágio 5 de maturação. No mesmo período, os frutos revestidos ainda não haviam atingido esse estágio.

“O principal diferencial [do revestimento] se deve ao fato de ser formulado com base em produtos naturais, como o óleo de erva-doce e o soro de leite”, destaca a Profª Lucicléia Barros, que assina a invenção. Ela ressalta que se trata de “uma tecnologia limpa para tratamento pós-colheita de frutas e hortaliças, capaz de promover o aumento da vida útil sem deixar resíduos tóxicos”.

“Ao passo que esse revestimento aumenta o tempo de vida útil de vegetais, aumenta também o prazo para comercialização, consequentemente reduzindo o descarte”, aponta ainda como uma das consequências diretas de uma invenção como essa, ressaltando que, no Brasil, as perdas na cadeia de frutas e hortaliças podem chegar a até 40%.

A escolha pelo mamão para realização dos testes se deu pela importância econômica que o fruto tem, bem como por ser suscetível a diferentes doenças depois de ser colhido, dada sua característica de fruto climatérico (que amadurece após a colheita). Também por conta de seu alto nível de comercialização, o mamão também sofre com alto percentual de perdas.

O revestimento, porém, pode ser aplicado também em outros alimentos, entre frutos e hortaliças, sendo necessário apenas ajustes nas proporções das substâncias que o compõem.

COMPOSIÇÃO – Para produzir o revestimento e garantir sua função de aumento na conservação das frutas, foi utilizado concentrado proteico de soro de leite (CPSL), em proporção de 10%, e óleo essencial de erva-doce (OED), atuando como agente antimicrobiano, cuja proporção de 0,2% a 0,4% apresentou os melhores resultados. Além disso, a composição também possui cloreto de cálcio na proporção de 1% e glicerol na proporção de 5%.

Por agir como uma barreira contra o oxigênio (causador de problemas como a oxidação), o CPSL é um composto recomendado para a utilização em filmes de proteção. Já o OED funciona como aditivo, já bastante utilizado na indústria de cosméticos e alimentos, por possuir boa eficiência contra diferentes microrganismos, auxiliando na manutenção da qualidade e segurança dos produtos recém-colhidos.

Comparação entre o mamão sem revestimento e com: na direita, mamão mais verde (com revestimento); na esquerda, mamão mais amarelado (sem revestimento)

Na esquerda, o mamão com revestimento, com a casca ainda verde; na direita, sem o revestimento, já amarelado (Foto: Reprodução)

PATENTE – Carta patente de número 14 da UFC, a invenção teve origem na dissertação de mestrado da pesquisadora Jorgiane da Silva Severino Lima, no Programa de Pós-Graduação de Ciência e Tecnologia de Alimentos. O projeto teve aprovação e financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O pedido de depósito para a invenção foi feito em fevereiro de 2016  no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), sendo a carta expedida em julho deste ano. Assina ainda como inventor o Prof. José Maria Carvalho de Castro.

Com todos os testes relacionados à formulação já concluídos em laboratório, a perspectiva da equipe com a patente é estabelecer parcerias com setores empresariais. “Temos expectativas de uma aproximação cada vez maior entre a UFC e o setor produtivo e esperamos consolidar a transferência dessa tecnologia para empresas atuantes no setor agroalimentar”, projeta a Profª Lucicléia Barros.

“A Universidade é um ambiente totalmente propício para inovação. Estamos em constante processo de descobertas, fazendo ciência e buscando respostas para as inúmeras questões da sociedade”, pontua. “Temos a oportunidade de aplicar nossos conhecimentos para gerar tecnologias que vão ao encontro dos anseios da sociedade.”

Fonte: Profª Lucicléia Barros, do Departamento de Engenharia de Alimentos – e-mail: lucicleia_barros@ufc.br

Notícia publicada originalmente no site da UFC.

Acessar Ir para o topo