Português

Projeto Tejucactus promove plantio de cactáceas no semiárido cearense

8 de novembro de 2013

O professor e pesquisador da área de floricultura da Universidade Federal do Ceará (UFC), Dr. Roberto Jun Takane, a convite da Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais (SBFPO), uma das entidades promotoras do XIX Congresso Brasileiro de Floricultura e Plantas Ornamentais e do VI Congresso Brasileiro de Cultura de Tecido de Plantas, ambos sediados em Recife nos dias 21 a 25 de outubro de 2013, ministrou uma palestra sobre a floricultura e a agricultura familiar no sertão cearense. O projeto Tejucactos foi apresentado ao público como o único projeto de extensão com tema relacionado a plantas ornamentais na agricultura familiar no semiárido nordestino.

Na ocasião, o Prof. Takane apresentou a realidade vivida pela comunidade “Riacho das Pedras”, na zona rural de Tejuçuoca, localizado a 155 quilômetros de Fortaleza, em pleno semiárido. Entre as várias dificuldades encontradas merece destaque o recurso limitante: a água. Entretanto, a ideia do projeto em trabalhar com cactáceas e suculentas se encaixou perfeitamente no perfil climático da região, tendo em vista que estas espécies suprem suas necessidades básicas com pouca quantidade de água, quando comparado a outras espécies, como as hortaliças, por exemplo.

O projeto teve início em meados de 2010, com a construção da primeira unidade produtiva, em dezembro do mesmo ano no município de Tejuçuoca. A ideia inicial era montar uma unidade de pesquisa e produção de espécies ornamentais, momento em que o apoio inicial veio da Prefeitura Municipal de Tejuçuoca, com a criação de um estímulo financeiro de R$100,00 (cem reais), o qual foi apelidado como Bolsa Cactus, tendo período de duração de doze meses. Inicialmente, foram selecionadas 15 integrantes (famílias) pela prefeitura. Hoje, o projeto conta com a participação de 13 integrantes.

Em setembro de 2010, a primeira unidade de produção, constituída por um telado de 150 m² com sistema de irrigação automatizado, foi construído com apoio da Horta didática do Departamento de Fitotecnia, o Centro de Estudos em Floricultura (CEFLOR-UFC/projeto de Extensão-PROEX) e da própria prefeitura de Tejuçuoca.

Neste primeiro momento foram introduzidas 15 espécies entre cactáceas e Plantas suculentas. O coordenador do projeto, o professor Takane e sua equipe (orientados da graduação e pós-graduação) promoveram treinamento mensal aos integrantes do projeto, capacitando-os na propagação, adubação, rega, controle de pragas e doenças, replantio de mudas e plantio definitivo em vasos para a comercialização.

Além de todo o manejo, foi realizada capacitação quanto à confecção de biofertilizante (Bokashi), preparo de substratos (misturas e esterilização) e montagem de vasos e decorativos com diferentes espécies (terrários).

Em 2011, com a aprovação de um projeto junto ao Banco do Nordeste (BNB), foi possível a construção da segunda unidade de produção, um ambiente protegido de 250m² com proteção superior com filmes plástico transparente e proteção lateral com telados de náilon com sistema de irrigação de microaspersores automatizados.

Com uma estrutura em boas condições de uso e com recursos para aquisição de mais espécies de cactáceas e plantas suculentas, foram introduzidas mais 18 espécies oriundas de diversos colecionadores destas espécies e muitas destas estão hoje em fase de reprodução e pesquisas para incrementar vendas posteriores.

Em janeiro de 2013, o atual prefeito do município firmou um compromisso de apoio ao projeto auxiliando na compra de vários insumos, instalação de um poço profundo e doação de mais 32 espécies de cactáceas e plantas suculentas ao projeto. Estas novas espécies estão sendo pesquisadas e reproduzidas na casa de vegetação. Atualmente, o projeto conta com 65 espécies, sendo a maioria em produção e em comercialização pelos integrantes do projeto.

Na UFC, especificamente no departamento de Fitotecnia, o presente projeto auxiliou na produção acadêmica e técnica dos alunos, integrando Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), dissertação de mestrado e trabalhos apresentados em congressos. Esta é uma forma de fazer pesquisa associado ao ensino e extensão, favorecendo aos que fazem parte da instituição e levando conhecimento e desenvolvimento para toda comunidade.

A realidade chocante cativou a atenção dos que ali estavam, pois mesmo com tantos empecilhos o projeto persiste gerando renda complementar aos agricultores, que anteriormente ao projeto, mantinham seu sustento apenas com recursos do programa social do governo federal, o Bolsa Família. Na ocasião, o público presente, constituído por professores, estudantes da graduação e pós-graduação, pesquisadores e produtores de distintas regiões do Brasil, aplaudiram o sucesso do trabalho realizado pelo Prof. Takane e seus orientados da UFC.